domingo, 24 de maio de 2020

Aula 09 – O MISTÉRIO DA UNIDADE REVELADO


2º Trimestre/2020
Texto Base: Efésios 3:1-13
31/05/2020
“o qual, noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens, como, agora, tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas” (Ef.3:5).
Efésios 3:
1.Por esta causa, eu, Paulo, sou o prisioneiro de Jesus Cristo por vós, os gentios,
2.se é que tendes ouvido a dispensação da graça de Deus, que para convosco me foi dada;
3.como me foi este mistério manifestado pela revelação como acima, em pouco, vos escrevi,
4.pelo que, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo,
5.o qual, noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens, como, agora, tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas,
6.a saber, que os gentios são coerdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho;
7.do qual fui feito ministro, pelo dom da graça de Deus, que me foi dado segundo a operação do seu poder.
8.A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo
9.e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério, que, desde os séculos, esteve oculto em Deus, que tudo criou;
10.para que, agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus,
11.segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus, nosso Senhor,
12.no qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé nele.
13.Portanto, vos peço que não desfaleçais nas minhas tribulações por vós, que são a vossa glória.

INTRODUÇÃO

Nesta Aula trataremos do “mistério da unidade revelado”, que esteve oculto às gerações antes de Cristo, inclusive ao povo de Deus da Antiga Aliança. Esse mistério dantes guardado no coração de Deus, fora revelado no Novo Testamento. A verdade sublime que compõe o tema da Epístola aos Efésios é o anúncio de que os crentes, tanto judeus como gentios, formam agora uma unidade em Cristo Jesus; são membros lado a lado do mesmo Corpo de Cristo, a Igreja. No presente momento estão assentados em Cristo nos lugares celestiais; no futuro, vão compartilhar da Sua glória como Cabeça de todas as coisas.

I. O MISTÉRIO OCULTO NO ANTIGO TESTAMENTO

Vimos no capítulo 2 de Efésios, a exposição de Paulo acerca do estado de perdição e condenação em que se encontrava o ser humano: escravos da carne, do mundo e do diabo. Ele revelou, ainda, a triste situação dos gentios: separados de Deus e separados de Israel. E, ainda mais, mostrou como ambos, judeus e gentios, foram reconciliados para formar um só povo.
Agora, no capítulo 3, Paulo vai falar sobre o maior mistério de Deus na história. E é por causa desse mistério que ele está preso. O rev. Hernandes Dias Lopes, citando Martyn Lloyd-Jones, diz que o que realmente pôs Paulo na prisão foi ele pregar por toda parte que o evangelho de Jesus Cristo era tanto para judeus como para gentios. Foi isso que, mais que qualquer outra coisa, enfureceu os judeus. Foi esse estilo de mensagem que culminou em sua prisão em Jerusalém e seu subsequente envio a Roma. Os crentes de Éfeso podiam perguntar: por que Paulo está preso em Roma? Por que Deus permitiu essas coisas a um homem de Deus? Paulo explica que está preso pela causa dos gentios; ele está preso por pregar que os gentios foram reconciliados com Deus e reconciliados com os judeus para formar um só corpo em Cristo; este era o grande mistério, que esteve não plenamente claro no Antigo Testamento.

1. O conceito bíblico de mistério

Paulo emprega três vezes a palavra “mistério” no capítulo 3 de Efésios (vv.3,4,9). Esta palavra, no grego (mysterion), tem um sentido diferente daquele entendido na língua portuguesa. As palavras em português e em grego não têm o mesmo sentido. Em português, ela quer dizer algo obscuro, oculto, secreto, enigmático, inexplicável, até mesmo incompreensível. No grego, quer dizer uma verdade que esteve oculta ao conhecimento ou entendimento dos homens, mas que, agora, foi desvendada pela revelação de Deus (Ef.3:3). Paulo chama esse mistério de "o mistério de Cristo" (Ef.3:4). Esta é uma verdade revelada que Paulo não descobriu por pesquisa nem informação do homem, mas por revelação divina (Ef.3:3). Este mistério, dantes não claramente compreendido (Ef.3:5), há mais de dois mil anos é conhecido como a mais impressionante verdade em benefício de toda a humanidade (1Tm2:3,4) – “Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade”.

2. O desconhecimento do mistério

“o qual, noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens, como, agora, tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas” (Ef.3:5).
É fato: o mistério - a nova comunidade universal, formada por judeus e gentios, detentora das mesmas promessas, herança e destino - “noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens”. Por isso é inútil procurá-lo no Antigo Testamento. Ali pode haver tipos e sombras dele (Gn.12:3; 22:18; Is.11:10; 49:6; 54:1-3; 60:1-3; Ml.1:11), mas a verdade em si não era conhecida naquele tempo. Isto não era porque Deus quisesse esconder alguma coisa de seu povo, mas porque sua intenção era revelá-lo somente no momento apropriado, de acordo com o decreto de Deus, para que Sua vontade fosse cumprida (Gl.4:4; 1Pd.1:20). Sabia-se, pelo Antigo Testamento, que os gentios receberiam a salvação (Is.49:6), mas nunca havia sido revelado no Antigo Testamento que todos os gentios e judeus se tornariam iguais no corpo de Cristo. Nos refolhos da eternidade (Ef.1:4), Deus planejou que judeus e gentios formariam um único Corpo, a Igreja; no entanto, essa igualdade foi alcançada quando Jesus destruiu a “parede da separação”, e de judeus e gentios criou um só Corpo com Deus (Ef.2:14,15), como estudamos na Aula 07.

3. O mistério e os profetas da Antiga Aliança

“pelo que, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo, o qual, noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens, como, agora, tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas” (Ef.3:4,5).
O povo de Deus da Antiga Aliança, Israel, ocupava um lugar privilegiado perante Deus. Eles consideravam que todas as promessas de Deus eram dirigidas exclusivamente a eles. Afirmar que um gentio tinha direitos iguais aos judeus nas promessas de Deus faria um israelita rir, pois isso não tinha o mínimo de verdade na cosmovisão deles. Os profetas da Antiga Aliança falavam que os gentios receberiam a salvação (Is.49:6; 56:6,7), mas nunca pregaram que gentios e judeus se tornariam iguais numa nova comunidade universal - que o Novo Testamento denomina de Corpo de Cristo -, “coerdeiros e participantes da promessa em Cristo” (Ef.3:6); de forma alguma afirmaram que os gentios seriam membros de um Corpo no qual os judeus não teriam primazia. O apóstolo Paulo dá ênfase a esta verdade quando afirma claramente aos cristãos colossenses que o mistério “estivera oculto dos séculos e das gerações; agora, todavia, se manifestou aos seus santos” (Cl.1:26).
-Pela Bíblia Sagrada sabemos que a chamada de Israel foi principalmente (mas não exclusivamente) para receber bênçãos temporais (Dt.28; Am.9:13-15); a chamada da igreja - formada de judeus e gentios – é, principalmente, para receber bênçãos espirituais nos lugares celestiais (Ef.1:3).
-Israel foi chamado para ser o povo escolhido de Deus sobre a terra; a Igreja é chamada para ser a Noiva celestial de Cristo (Ap.21:2,9).
-No reino vindouro do nosso Senhor, Israel será a cabeça das nações (Is.60:12); os gentios serão abençoados, porém, só através de Israel (Is.60:3; 61:6; Zc.8:23).
-No Milênio, Israel será abençoado no reino de Cristo (Os.3:5; a Igreja reinará com Cristo sobre o universo inteiro, desfrutando da sua glória (Ef.1:22,23).
Por isso é evidente que a Igreja não é Israel ou o reino; trata-se de uma nova sociedade, um grupo especial e o mais privilegiado corpo de crentes que encontramos nas Escrituras Sagradas.
A Igreja se formou depois da ascensão de Cristo, quando o Espírito Santo foi dado (Atos 2), por ocasião do batismo no Espírito Santo (1Co.12:13); será completada quando Cristo voltar, quando todos os que pertencem a Ele serão levados para o lar celestial (1Ts.4:13-18; 1Co.15:23,51-58).
Esse é o grande mistério que os escritores do Antigo Testamento não imaginava que iria acontecer, e que nós, Igreja do Senhor Jesus Cristo, tem o privilégio de saber e contemplar isso bem de perto.

II. O MISTÉRIO REVELADO NO NOVO TESTAMENTO

O mistério estava oculto ao povo de Deus da Antiga Aliança, mas, agora, revelado, primeiramente aos apóstolos e profetas do Novo Testamento. Que mistério este que Paulo dá tanta ênfase em sua Epístola? “Que os gentios são coerdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho” (Ef.3:6).

1. Revelado aos apóstolos e profetas

O “mistério” que esteve oculto no Antigo Testamento foi revelado por Deus aos apóstolos e profetas - “o qual, noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens, como, agora, tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas” (Ef.3:5).
O mistério divino não poderia ser desvendado por meio do raciocínio intelectual; desta feita, o Espírito Santo foi o canal pelo qual estes santos do Novo Testamento receberam a revelação do mistério (Atos 11:4-17,27). Portanto, o mistério foi dado a conhecer por meio da “revelação divina” e não por sabedoria humana (1Co.2:4).
Enfatizo que os “apóstolos e profetas” aqui mencionados são os do Novo Testamento e não os do Antigo Testamento; caso contrário, Efésios 3:5 seria contraditório. A primeira parte diz que o mistério “noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens”. Por isso não era conhecido dos profetas do Antigo Testamento. Sendo assim, como poderia se tornar conhecido nos tempos de Paulo por homens que já tinham morridos há séculos?
O sentido óbvio é que essa grande verdade acerca de Cristo e sua Igreja – formada por gentios e judeus - foi dada a conhecer a homens como Paulo, da Nova Aliança, que foram designados pelo Senhor ressurreto a fim de servirem como porta-vozes. Paulo não disse que era o único a quem esse segredo foi revelado; ele era um dos muitos, embora fosse mais adiantado na transmissão dessa verdade aos gentios do seu tempo e, por meio das epístolas, às gerações que se seguiram.
Nas Palavras de William Macdonald, “há muitos cristãos que mantém um ponto de vista muito diferente do exposto acima; dizem que a Igreja já existia no Antigo Testamento, que nessa época a Igreja era Israel, mas que agora a sua verdade tem sido revelada mais amplamente. Dizem que noutros tempos 'o mistério não era conhecido como hoje; era conhecido, mas não tão bem como agora. Temos uma revelação mais ampla, mas ainda somos o Israel de Deus, ou seja, uma continuação do povo de Deus'. A fim de apoiar seu argumento, apontam para Atos 7:38 na versão BJ, onde a nação de Israel é chamada de “assembleia do deserto”, ao passo que nas versões RA, RC, NVI e CF Israel é chamado de “a congregação no deserto”. É verdade que o povo escolhido de Deus é chamado de congregação no deserto; porém, isso não quer dizer que existe alguma ligação entre ele e a Igreja cristã. Afinal de contas, a palavra grega “eklesia” é um termo geral que descreve qualquer assembleia; é utilizada para descrever o povo de Israel em Atos 7:38, mas também é usada em Atos 19:32,41 para se referir a uma multidão de gentios. É pelo contexto que podemos determinar o tipo de assembleia ou congregação de que trata a passagem”.
O que dizer, porém, diante do argumento que diz que Efésios 3:5 se refere à Igreja que existia no Antigo Testamento, mas não plenamente revelada como agora? A resposta se encontra em Colossenses 1:26, que diz claramente que o mistério “estivera oculto dos séculos e das gerações; agora, todavia, se manifestou aos seus santos”. Não se trata aqui do grau de revelação, mas sim de sua existência.

2. O mistério oculto revelado

Qual o mistério revelado ou o segredo particularmente aberto, que “não foi dada a conhecer aos homens doutras gerações”, mas “agora foi revelado pelo Espírito Santo aos santos apóstolos e profetas de Deus" (Ef.3:5)? A resposta está em Efésios 3:6: "que os gentios são coerdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho”.
Na Igreja do Senhor Jesus Cristo os crentes gentios são coerdeiros, membros em comum e coparticipantes da promessa em Cristo Jesus por meio do evangelho. Em outras palavras, os gentios convertidos já desfrutam do título e dos privilégios dos judeus convertidos.
Portanto, a Igreja era o grande mistério de Deus guardado no Seu coração amoroso, que foi revelado pelo Espírito Santo (Ef.3:2,3) no Novo Testamento; e o mistério era que Deus, por meio de Cristo, faria com que todos os povos do mundo inteiro fossem unidos num só Corpo, formando a Igreja do Senhor. Assim, judeus e gentios podem agora ser chamados de irmãos em Cristo (Ef.3:6), porquanto “não há judeu nem grego, escravo ou livre, homem ou mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus” (Gl.3:28). 
Observe que o apóstolo Paulo usa três expressões compostas e paralelas que indica aquilo que os crentes gentios agora têm e são, em conjunto com os crentes judeus, a saber:
·         “Coerdeiros”. Quanto à herança, coparticipam igualmente com os judeus que são salvos. São herdeiros de Deus, coerdeiros com Cristo Jesus e coerdeiros com todos os redimidos.
·         Membros do “mesmo corpo". Antes, separados por uma parede, a parede da inimizade (Ef.2:14); agora, judeus e gentios são membros em comum, unidos como família de Deus e Corpo de Cristo (Ef.2:11-22; 3:6).
·         “Participantes da promessa”. São coparticipantes da promessa em Cristo Jesus por meio do evangelho. A promessa aqui pode ser o Espírito Santo (Atos 15:8; Gl.3:14), mas também pode abranger tudo o que é prometido no evangelho aos que estão em Cristo Jesus. Os gentios são participantes de tudo isso com os judeus.
Resumindo, podemos dizer que o mistério de Cristo é a união completa entre judeus e gentios por meio da união de ambos com Cristo. É essa dupla união, com Cristo e entre eles, a essência do mistério. Deus revelara esse mistério a Paulo (Ef.3:3), aos santos apóstolos e profetas (Ef.3:5) e aos seus santos (Cl.1:26). Agora, portanto, esse mistério é uma possessão comum da Igreja do Senhor Jesus Cristo.

3. A magnitude do mistério

No Antigo Testamento havia claramente a seguinte promessa: que todas as famílias da terra seriam abençoadas por meio da descendência de Abraão; que o Messias receberia as nações como sua herança; que Israel seria dado como uma luz para as nações e que, um dia, as nações fariam uma peregrinação para Jerusalém, e até mesmo correriam para lá como um poderoso rio (Gn.12:1-3; Sl.2:8; Is.2:2-4,42:6,49:6). Jesus também falou da inclusão dos gentios e comissionou seus seguidores para que fossem e fizessem deles seus discípulos.
Todavia, o que nem o Antigo Testamento nem Jesus revelaram declaradamente foi a natureza radical do plano de Deus, a saber, que judeus e gentios seriam incorporados a Cristo e à Igreja dEle, em iguais condições, sem distinções. Até mesmo alguns líderes do início da Igreja demoraram a entender esse mistério onde todos são aceitos em Cristo (cf. Atos 11:4-17). Na verdade, essa união completa de judeus, gentios e Cristo, que Deus revelou aos apóstolos, a Paulo e aos profetas, era radicalmente novo.
Esse mistério foi revelado aos apóstolos e profetas do Novo Testamento, mas o anúncio dessa verdade revelada recai sobre a responsabilidade da Igreja, para que “a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida” (Ef.3:10). A Igreja é a principal agência divina de divulgação desse “mistério” a fim de unir todos os homens em um só povo por meio de Cristo.

III. O MISTÉRIO PRÉ-ESTABELECIDO

Deus conhece todas as coisas; Ele é Onisciente. Ele sabia que o ser humano ia cair, mas a Queda do ser humano não decepcionaria o plano de estabelecer para Si um povo todo especial, a Igreja, formado por pessoas de qualquer lugar do planeta; isto estava na sua mente desde os tempos eternos (Ef.1:4). Portanto, o mistério agora revelado não surgiu após o pecado de Adão e Eva, não; desde a eternidade o Senhor pré-estabeleceu um plano para ser executado na “plenitude dos tempos” (Gl.4:4). Essa verdade nos ensina que por trás de todo o evento da história existe um propósito eterno em andamento. Deus é soberano e controla todas as eras, tempos e circunstâncias.
Esse mistério, isto é, a união completa entre judeus, gentios e Cristo, Deus a revelou a Paulo. Ele considerava-se privilegiado de entender isto e ser chamado para manifestar o evangelho a todos.

1. As riquezas insondáveis de Cristo

“A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo” (Ef.3:8).
-“Riquezas insondáveis de Cristo”. Aqui, esta expressão é muito preciosa e profunda. Ela refere-se às maravilhas e a providência divina que estão além do entendimento humano (Ef.1:7); ela nos leva a pensar com meditação quão rico é o Cristo que experimentamos e conhecemos.
Que “riquezas” são essas que Paulo teve o privilégio de pregar? A ressurreição da morte do pecado; a libertação da escravidão da carne, do mundo e do diabo; a entronização vitoriosa com Cristo nas regiões celestiais; a reconciliação com Deus; a reconciliação uns com os outros - o fim da hostilidade, a derrubada do muro da inimizade; o ingresso na família de Deus; a herança gloriosa em Cristo no novo céu e na nova terra.
Era este o conteúdo do evangelho que Paulo pregava – “me foi dada esta graça de pregar”. Para ele, compartilhar com os povos essas boas novas, proclamar que essas dádivas foram projetadas desde a eternidade, sendo livremente concedidas aos homens por meio de Cristo (Ef.1:4; 2:16), era algo imensurável (Ef.3:18,19).
Conquanto tivesse o privilégio de ter recebido a revelação do mistério de Deus, agora revelado, ele se considerava “o menor de todos os santos”. Ele achava que a grandeza e alcance dos mistérios de Cristo eram maiores do que ele podia compreender. Paulo sabia quão insondáveis eram essas riquezas espirituais; era algo que superava qualquer conhecimento humano.
Tudo que se refere à gloria de Cristo, sua divindade, sua glória moral, e sua glória meritória na cruz do Calvário tem um valor incalculável. O privilégio de Paulo era pregar, aos gentios, o Cristo como Salvador e declará-los incluídos como participantes das bênçãos de Cristo (cf. Atos 9:15; 22:21; 26:17; Rm.11:13; 15:16-20; Gl.2:7-9).
Sem dúvida, as riquezas de Cristo são insondáveis! Por mais que O conheçamos, sempre haverá novos aspectos dEle a serem conhecidos e experimentados. Paulo conhecia o Senhor Jesus bem de perto e de forma especial. Podemos dizer que O conhecemos profundamente ou nosso conhecimento dEle é superficial e insuficiente? Portanto, devemos almejar atender ao rogo do profeta Oséias: "Conheçamos, e prossigamos em conhecer o Senhor"(Os.6:3).

2. O eterno propósito em Cristo

“para que, agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus, segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Ef.3:11).
Em sua presciência, Deus Pai estabeleceu o tempo da revelação do mistério da salvação através de Jesus Cristo. Esse mistério esteve oculto em Deus desde os séculos (Ef.3:9), mas foi manifestado aos seus santos apóstolos e profetas, e a nós também, nestes últimos tempos (1Pd.1:20). O “mistério” em si, sua ocultação, sua eventual revelação e o modo como exibe a sabedoria de Deus são realidades que ocorreram “segundo o eterno propósito que [Ele] fez em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Ef.3:11).
Antes que fosse formado o mundo, Deus soube que Satanás haveria de cair e que o homem o seguiria no pecado. Assim, de antemão, Deus preparou uma estratégia para combatê-lo, um plano-mestre. Esse plano se concretizou na encarnação, morte, ressurreição, ascensão e glorificação de Cristo. O programa todo foi centrado em Cristo e se realizou por meio dEle. Agora Deus pode salvar os injustos, tanto judeus como gentios, e fazer deles membros do Corpo de Cristo, confirmando-os à imagem do seu Filho e dando-lhes honra especial durante toda a eternidade como a Noiva do Cordeiro.
Efésios 3:10 declara que “agora” a Igreja se constitui na proclamadora da revelação, o que indica que ela sempre fez parte do plano divino. Portanto, a Igreja não foi uma obra acidental de Deus, ela foi criada antes de todos os tempos, fundada na cruz, inaugurada no Pentecostes e manifestada através dos apóstolos e profetas. Outrossim, essa revelação não ficava restrita aos homens, pois diz o citado texto, que também os anjos (“principados e potestades”) teriam conhecimento dessa revelação através da Igreja.

3. O plano divinamente pré-estabelecido

Nos refolhos da eternidade Deus estabelecera o “mistério revelado”, ou seja, a formação de uma nova humanidade, a união completa de judeus com gentios, por meio de Cristo. Portanto, o pecado de Adão não pegou Deus de surpresa. Deus não ficou “roendo as unhas” com medo de o homem estragar tudo no Éden. Não. Deus planejou a nossa salvação antes mesmo de lançar os fundamentos da terra. Antes que houvesse céu e terra, Deus já havia decidido nos escolher em Cristo para a salvação. Ele nos escolheu antes dos tempos eternos (2Tm.1:9); Ele nos escolheu desde o princípio para a salvação (2Ts.2:13); Ele nos escolheu antes da fundação do mundo (Ef.1:4).
Como resultado da obra de Cristo e da nossa união com Ele, temos agora o indizível privilégio de poder entrar na presença de Deus a qualquer hora e com a confiança de que seremos ouvidos sem sermos censurados (Tg.1:5). Afirma o apóstolo Paulo: “no qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé nele” (Ef.3:12).
-A palavra “ousadia” sugere uma atitude respeitosa, mas sem medo, atitude igual a de uma criança que quer falar com seu pai.
-A palavra “acesso” aponta para o fato de que tanto judeus como gentios têm acesso ao Pai em um Espírito; temos a liberdade de falar com Deus em oração.
-Pela palavra “confiança” compreende-se a certeza que temos de ser sempre bem-vindos, de ser ouvidos e de receber uma sábia e amorosa resposta.
-Temos tudo isso “pela nossa fé nEle”, isto é, nossa fé no Senhor Jesus Cristo.

CONCLUSÃO

Este foi o eterno plano de Deus: criar a Igreja a partir de uma humanidade nova e reconciliada em união com Jesus Cristo (Ef.3:11). Isso estava oculto no passado e, então, se cumpriu na história, na cruz, com resultados para a eternidade. Por causa disso, não ousamos desconsiderar a Igreja na história da humanidade; ela ocupa lugar central na história, a história de Deus formando um povo para Si mesmo para reinar eternamente com Ele. Que assim seja!
--------------
Luciano de Paula Lourenço – EBD/IEADTC
Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com
Referências Bibliográficas:
Bíblia de Estudo Pentecostal.
Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.
Comentário Bíblico popular (Novo Testamento) - William Macdonald.
Comentário Bíblico Pentecostal. CPAD.
Comentário do Novo Testamento – Aplicação Pessoal. CPAD.
Pr. Douglas Baptista. A Igreja Eleita. Redimida pelo Sangue de Cristo e Selada com o Espírito Santo. CPAD.
Rev. Hernandes Dias Lopes. Efésios. Igreja, a noiva gloriosa de Cristo.
SHEDD, Russel. Epístolas da Prisão: uma análise. São Paulo: Edições Vida Nova,
2005, p. 15.
STOTT, John. A Mensagem de Efésios. São Paulo: ABU Editora, 2007.
STOTT, John. Lendo Efésios.

domingo, 17 de maio de 2020

Aula 08 – EDIFICADOS SOBRE O FUNDAMENTO DOS APÓSTOLOS E DOS PROFETAS


2º Trimestre/2020
Texto Base: Efésios 2:20-22; Mateus 7:24-27
“Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina” (Ef.2:20).
Efésios 2:
20.edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina;
21.no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor,
22.no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito.
Mateus 7:
24.Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha.
25.E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha.
26.E aquele que ouve estas minhas palavras e as não cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia.
27.E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.

INTRODUÇÃO

Nesta Aula trataremos do maior Edifício espiritual edificado por Deus: a Igreja, a nova humanidade constituída de gentios e judeus, os quais foram aproximados por meio de Cristo Jesus na cruz do calvário (Ef.2:13,16,19). Este “Edifício” foi edificado “sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas”, tendo como Pedra Angular o Senhor Jesus Cristo. Ele mesmo disse: “...sobre esta pedra edificarei a minha igreja...” (Mt.16:18). Portanto, a fé cristã é um Edifício em que Cristo é a Pedra Angular, isto é, a Pedra principal, e os ensinos dos apóstolos e os testemunhos dos profetas bíblicos são o fundamento arguido sobre esta Pedra Angular.

I. UM EDIFÍCIO ESPIRITUAL

“Essencialmente, a Igreja representa uma comunidade de pessoas. No entanto, em muitos aspectos pode ser comparada a um edifício e, especialmente, a um templo” (John Stott).

1. O Santuário judeu

O santuário judaico constituiu o centro de toda a vida pessoal, social, política e religiosa do povo de Deus da Antiga Aliança, desde sua implantação no Sinai. Foi assim durante toda a peregrinação no deserto em direção à Terra Prometida – em forma de Tabernáculo - bem como durante a sua existência em forma de Templo.
O santuário judeu foi um tipo, uma sombra, da Pessoa e da Obra de Jesus Cristo (Hb.8:1,2). Cada detalhe do santuário apontava aspectos da Pessoa e Ministério do nosso Salvador - estudamos exaustivamente sobre isso ao longo do 2º trimestre de 2019.  Jesus foi o Santuário no qual habitava a plenitude da divindade (Hb.1:3; Cl.1:15-19). Outrossim, o santuário judaico pode ser considerado uma figura do cristão.
Sob muitos aspectos, para os israelitas, o Templo e a cidade de Jerusalém tinham o mesmo significado.
a) Simbolizava a presença e a proteção do Senhor Deus entre o seu povo (cf. Êx.25:8; 29:43-46). Quando o Templo foi dedicado, Deus o encheu da Sua glória (2Cr.7:1,2; cf. Êx.40:34-38), e prometeu que poria o seu Nome ali (2Cr.6:20,33). Por isso, quando o povo de Deus queria orar ao Senhor, podia fazê-lo, voltado em direção ao templo (2Cr.6:24, 26, 29, 32), e Deus o ouviria “desde o seu templo” (Sl.18:6).
b) O Templo também representava a redenção de Deus para com o seu povo. Dois atos importantes tinham lugar ali: os sacrifícios diários pelo pecado, no altar de bronze (cf. Nm.28:1-8; 2Cr.4:1) e o Dia da Expiação, quando o sumo sacerdote entrava no lugar santíssimo a fim de aspergir sangue no propiciatório sobre a arca para expiar os pecados do povo (cf. Lv.16; 1Rs.6:19-28; 8:6-9; 1Cr.28:11). Essas cerimônias do Templo relembravam aos israelitas o alto preço da sua redenção e reconciliação com Deus. Apontava para Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus.
c) O Templo simbolizava a presença de Deus somente enquanto o povo rejeitasse todos os demais deuses e obedecesse à Lei de Deus. Miquéias, por exemplo, verberava contra os líderes do povo de Deus, por sua violência e materialismo, os quais ao mesmo tempo, sentiam-se seguros de que nenhum mal lhes sobreviria enquanto possuíssem o símbolo da presença de Deus entre eles (Mq.3:9-12). Profetizou que Deus os castigaria com a destruição de Jerusalém e do seu Templo.
Posteriormente, Jeremias repreendeu os idólatras de Judá, porque se consolavam mediante a constante repetição das palavras: “Templo do Senhor, Templo do Senhor, Templo do Senhor é este” (Jr.7:2-4, 8-12). Por causa de sua conduta ímpia, Deus destruiria o símbolo da sua presença: o Templo (Jr.7:14,15). Deus até mesmo disse a Jeremias que não adiantava ele orar por Judá, porque Ele não o atenderia (Jr.7:16). A única esperança deles era endireitar os seus caminhos (Jr.7:5-7).
Na época de Jeremias, o povo cometia todo tipo de pecado (Jr.7:5-9); depois, no sábado, vinha ao Templo, apresentava-se a Deus, e deste modo enganava-se, crendo que estava seguro mediante o amor que Deus lhe tinha. Acreditavam que o Senhor jamais permitiria que o Templo e a cidade de Jerusalém fossem destruídos.
Existe na atualidade essa falsa teologia. Os crentes vivem em desobediência a Deus e à sua Palavra, e julgam-se seguros, porque creem no “Sangue de Cristo” e na doutrina “uma vez salvo, salvo para sempre”. Na linguagem de Jeremias, estão confiando “em palavras falsas” (enganosas), que para nada são proveitosas (Jr.7:8).
O próprio Jesus, assim como os profetas do Antigo Testamento, censurou o uso indevido do Templo. Seu primeiro grande ato público (João 2:13-17) e o seu último (Mt.21:12,13) foram expulsar do Templo aqueles que estavam pervertendo o seu verdadeiro propósito espiritual (ver Lc.19:45). Ele passou a predizer o dia em que o Templo seria completamente destruído (Mt.24:1,2; Mc 13:1,2; Lc.21:5,6).
Existem alguns paralelos entre a maneira como os judeus viam o Templo em Jerusalém e como muitos hoje veem suas igrejas:
ü  Os judeus não cultuavam a presença de Deus em sua vida cotidiana como faziam no Templo. Hoje é possível frequentar belas e bem equipadas igrejas, mas não levar a presença de Deus conosco durante a semana.
ü  O edifício do Templo se tornou mais importante para os judeus do que a essência da fé. Ir à igreja e pertencer a um grupo religioso pode tornar-se mais importante do que ter uma vida transformada para Deus.
ü  Os judeus viam o Templo apenas como santuário. Muitos cristãos não se veem como Templo do Espírito Santo e usam a filiação religiosa como um esconderijo, pensando que esta os protegerá dos males e dos problemas.
Portanto, o compromisso de Deus não é com símbolos, monumentos ou com ícones, mas com todos os que guardam a sua Palavra e obedecem aos seus mandamentos.

2. O Santuário cristão (Ef.2:22)

Paulo imaginou a nova humanidade em Cristo – a Igreja - como a família de Deus (Ef.2:19); agora, ele a compara com o santuário de Deus em Jerusalém, o Templo (Ef.2:22), que havia sido por quase mil anos o ponto focal da identidade de Israel como o povo de Deus; mas, agora, havia um novo povo que não era uma nova nação, mas uma nova humanidade, internacional e por todo o mundo; um centro geograficamente localizado não seria apropriado para esse povo; o que, então, poderia ser seu templo, seu centro de unidade?
O Santuário judaico sempre fez parte da identidade de Israel como povo de Deus; no entanto, o novo povo tem um novo Santuário, e esse é totalmente distinto daquele. O fundamento desse novo Santuário é o ensino cristocêntrico dos apóstolos e profetas (Ef.2:20; Atos 2:42), os 2:42), isto é, as verdades reveladas nas Escrituras Sagradas. A Pedra Angular, essencial para manter firme esse Edifício, é o próprio Senhor Jesus (Ef.2:20,21 - cf. 1Co.3:11; 1Pd.2:4-8); Nele, todo edifício bem ajustado cresce, a unidade e o crescimento da Igreja vem em conjunto. Além de Cristo, que é a Pedra fundamental da Igreja, nós também fazemos parte dessa construção (Ef.2:22); como pedras que vivem, estamos sendo edificados Casa espiritual (1Pd.2:4,5).
Enfim, Paulo fala que o propósito desse Templo é ser habitação de Deus (Ef.2:22). O Templo feito por mãos humanas não pode conter a Deus (1Rs.8:27; Atos 7:48,49), mas Ele habita em pessoas santas e com elas faz aliança (1Co.6:19,20). O Senhor Jesus disse: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada” (João 14:23). O apóstolo Paulo escreveu aos crentes de Éfeso: “no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito” (Ef.2:22); também escreveu aos cristãos de Corinto: "Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo” (1Co.6:16,17).
Obediência e adoração a Deus são as condições para se ter a presença de Deus. Hoje, a Igreja, em cada um dos seus membros, está vivendo este momento como Templo de Deus. Somos o Tabernáculo, a Tenda móvel, o Templo que anda, a Igreja viva, o Templo do Espírito Santo. Esse Edifício ainda não está completo, mas está crescendo para ser santuário dedicado ao Senhor (Ef.2:21). No Céu, seremos definitivamente completados (Ap.21:1-5).

3. A Pedra angular

A pedra angular ou pedra de esquina é uma valiosa peça de arquitetura; ela fixa a construção e define o alinhamento das paredes; é o elemento essencial que dá existência àquilo que se chama de fundamento da construção de um edifício; é a base sólida que o edifício necessita para conseguir chegar à altura programada, sem cair. Para um cristão, Jesus Cristo é essa base fundamental na qual se assenta toda a construção da Igreja, formada por todos aqueles que acreditam na Palavra de Deus.


4. Cristo, a Pedra principal

No Cristianismo, a Pedra Angular é simbolicamente representada por Jesus Cristo, o Filho de Deus. Esta Pedra foi escolhida por Deus para edificar a Igreja, conforme a planta divina elaborada antes da fundação do mundo (Ef.1:4).
Em diversas passagens da Bíblia Sagrada há referências sobre Jesus como a Pedra Angular:
·     1Pedro 2:6-8: "Eis que ponho em Sião uma pedra angular, escolhida e preciosa, e aquele que nela confia jamais será envergonhado. Portanto, para vocês, os que creem, esta pedra é preciosa; mas para os que não creem, a pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular, e, "pedra de tropeço e rocha que faz cair. Os que não creem tropeçam, porque desobedecem à mensagem; para o que também foram destinados” (1Pd.2:6-8-NVI).
·     1Corintios 3:11: “Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo”.
·     Atos 4:11: “Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina”.
·     Atos 4:12: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”.
Portanto, Jesus é Pedra principal que alimenta a Igreja e também é a Pedra em que o mundo deve crer para ser salvo. Não há nenhuma figura ou tipo que possa apresentá-lo adequadamente no seu variado ministério e na Sua altíssima glória.
Existem pelo menos três aplicações possíveis sobre a figura da Pedra Angular:
a) geralmente, pedra angular é a que está na fiada mais baixa e na esquina da parte da frente de um edifício. É considerada de importância fundamental porque todo o resto da estrutura se apoia nela. É nesse sentido que ela é um tipo verdadeiro do Senhor. Também por ligar duas paredes pode haver nessa figura a sugestão da união que, por causa de Cristo, existe entre judeus e gentios na Igreja.
b) em muitas estruturas, a pedra angular se refere à pedra principal de um arco. Essa pedra é a mais alta do arco e serve de apoio para as restantes. Cristo, de fato, ocupa posição elevada na Igreja; Ele é indispensável; se for removido, todo o resto cai.
c) numa pirâmide, a pedra angular é a pedra mais alta. Sendo a pedra que ocupa o lugar mais elevado da estrutura, é a única com forma e tamanho triangular. As linhas e ângulos dela determinam a forma que a pirâmide terá. Da mesma maneira, Cristo é a Cabeça da Igreja; Ele é singular em sua Pessoa e ministério; é Ele quem dá à Igreja as suas características especiais; Ele é o seu fundamento.

II. O FUNDAMENTO DOS APÓSTOLOS E PROFETAS

“Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina” (Ef.2:20).
Nada é mais importante para qualquer edifício do que um fundamento estável. Paulo diz que a Igreja é “[edificada] sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas”. Uma vez que os apóstolos e os profetas tinham papéis de ensino, parece claro que o que constitui o fundamento da Igreja não é a pessoa nem o cargo, mas a instrução deles.
“A frase ‘edificados sobre o fundamento’ é a transição para essa analogia da Igreja como um edifício em processo de construção. Em Efésios 2:20-22, Paulo novamente assegura aos gentios que formarão parte integral da Igreja que Deus está construindo. [...] A igreja é ‘edificada’ sobre a revelação original e infalível de Cristo aos primeiros apóstolos e profetas. No entanto, deve-se acrescentar que líderes visionários e santos, pessoas cheias da Palavra do ‘espírito de sabedoria e de revelação’ (Ef.1:7), continuam a ser necessárias para liderar a Igreja ‘até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à unidade da estatura completa de Cristo’”(ARRINGTON, French L. Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. CPAD).

1. O conceito de Apóstolos

O termo grego “apóstolos” significa literalmente “enviado” ou “mensageiro”. Ocorre pela primeira vez na literatura do Novo Testamento em Mateus 10:2. O Senhor Jesus Cristo é reconhecido como o Supremo Apóstolo (Hb.3:1), tendo sido o modelo para os Doze, assim como para Paulo, o qual veio a ser escolhido por Deus para ser seu apóstolo entre os gentios (Atos 13:1-3; Gl.1:14,15; 2:7-8). A partir do Pentecostes, os apóstolos assumiram a proclamação do Evangelho ao mundo, tornando-se juntamente com os profetas do Novo Testamento o fundamento da Igreja (Ef.2:20; veja Efésios 3:5; 4:11).
-Apóstolos “originais”. Em sentido restrito designa os Doze (Lc.6:13; Atos 1:26; 2:14) e Paulo (Rm.1:1; 1Co.1:1,2). Esses Apóstolos “originais” eram testemunhas da ressurreição de Cristo (Atos 1:22; 1Co.9:1), escolhidos pessoalmente pelo Senhor (Mc.3:13-19; Gl.1:1), formando ao lado dos profetas do Novo Testamento o fundamento sobre o qual a Igreja está construída (Ef.2:20; Ef.3:5; cf. Atos 2:42). Nesse sentido restrito, o dom de apóstolo não mais existe.
-Apóstolos “extensivos”. Outros discípulos, além dos doze e Paulo, também foram chamados de apóstolos na Igreja do Novo Testamento, tais como: Barnabé (Atos 14:14), Apolo (1Co.4:6,9), Silvano e Timóteo (1Ts.1:1; 2:6) e, segundo alguns, Andrônico e Júnias (Rm.16:7), este último sendo um nome feminino, o que sugere a possibilidade de as mulheres terem atuado como apóstolas.
Como o termo “apóstolo” significa “enviado”, “mensageiro”, esse dom permanece na Igreja contemporânea com uma conotação estritamente missionária, distinguindo os cristãos separados por Deus para a tarefa missionária (Rm.1:5; 1Co.9:2; Gl.2:8), capacitando-os a fundar e consolidar igrejas (2Co.11:28) por meio das missões culturais ou transculturais. Assim, o termo “apóstolo”, em sentido secundário ou extensivo, é sinônimo do termo “missionário” (cf. Atos 9:13-17; 14:21-28; 1Co.9:19-23; Gl.1:15-17;; 2:7-14; Ef.3:6-8).
É bom enfatizar que o dom de apóstolo nada tem que ver com os “títulos” que se têm dado na atualidade e que, se alguma base bíblica tem, só pode ser a referência de 2Co.11:13: “Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo”.

2. A doutrina dos apóstolos

A doutrina dos apóstolos era os ensinamentos de Jesus. Tudo o que Jesus havia ensinado, eles replicavam. Eles foram os mensageiros originais, testemunhas e representantes autorizados do Senhor crucificado e ressurreto. Foram as pedras fundamentais da Igreja, e sua mensagem encontra-se nos escritos do Novo Testamento como o testemunho original e fundamental do evangelho de Cristo, válido para todas as épocas.
Os apóstolos fizeram questão de conscientizar a cada irmão que eles deviam viver cada palavra que o Mestre Jesus havia ensinado. A propósito, as palavras de Jesus sempre foram o centro de Seu profícuo ministério. Tudo girava em torno de suas palavras. Aplicar Sua palavra era tido como quem constrói uma casa sobre a Rocha (Mt.7:24). Aliás, em Suas últimas palavras aos discípulos, ele dá uma ordem missiológica que também envolve diretamente suas palavras. Em Mateus 28:19-20, Jesus ordena: "Portanto, ide, ensinai todas as nações... ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado".
Todos os crentes e igrejas locais dependem das palavras, da mensagem e da fé dos primeiros apóstolos, conforme estão registradas historicamente no Livro de Atos dos apóstolos e nas Epístolas. A autoridade deles é conservada no Novo Testamento. As gerações posteriores da Igreja têm o dever de obedecer à revelação apostólica e dar testemunho da sua verdade. O evangelho concedido aos apóstolos do Novo Testamento, mediante o Espirito Santo, é a fonte permanente de vida, verdade e orientação à Igreja.
Todos os crentes genuínos devem não somente crer na mensagem dos apóstolos, mas também defendê-la e guardá-la contra todas as distorções ou alterações. A doutrina dos apóstolos, conforme temos no Novo Testamento, nunca poderá ser substituída ou anulada por revelação, testemunho ou profecia posterior (Atos 20:27-31; 1Tm.6:20).
Em Apocalipse 21:14 os apóstolos são associados aos doze fundamentos da Santa Jerusalém. Não são o fundamento, mas são ligados a ele por terem ensinado a grande verdade sobre Cristo e sua Igreja.

3. O Testemunho dos profetas

edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina” (Ef.2:20).
No entendimento de John Stott, os profetas, aqui informados por Paulo, são provavelmente os profetas do Novo Testamento (veja Ef.3:5; 4:11), porque a palavra “apóstolos” é citado primeiro. Esses “profetas” foram mestres inspirados a quem veio a Palavra de Deus, os quais a transmitiram a outras pessoas fielmente. Nesse caso, a referência deve ser a um pequeno grupo de mestres inspirados, associados aos apóstolos, que juntos davam testemunho de Cristo e cujo ensino era fruto da revelação (Ef.3:5). Em termos práticos, isso significa que a Igreja está edificada sobre as Escrituras do Novo Testamento“. Veja o que Paulo afirma aos crentes de Éfeso:
“pelo que, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo, o qual, noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens, como, agora, tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas, a saber, que os gentios são coerdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho” (Ef.3:4-6).
Esses “profetas” “falaram inspirados pelo Espírito Santo” (2Pd.1:21), mas isto não significa que eles nem os apóstolos foram o fundamento da Igreja. Cristo é o Fundamento da Igreja (1Co.3:11), porém, foram eles que lançaram o fundamento através das doutrinas que ensinaram sobre a Pessoa e obra do Senhor Jesus.
A Igreja é fundada sobre Cristo no sentido de que Ele foi revelado através do testemunho e dos ensinamentos dos apóstolos e profetas. Quando Pedro confessou-o como Cristo, o Filho do Deus vivo, Jesus anunciou que a Sua Igreja seria edificada “sobre esta Pedra”, a saber, sobre a verdade sólida de que Ele, Jesus, era o ungido de Deus e o Seu Filho único (Mt.16:18).

4. O fundamento da Igreja foi lançado uma só vez

O fundamento de qualquer edifício precisa ser lançado uma única vez. Os apóstolos e profetas fizeram esta obra de uma vez por todas. O fundamento que lançaram é preservado nas Escrituras do Novo Testamento, pois eles mesmos não estão mais conosco. Num sentido secundário, em todas as épocas tem havido homens cujo ministério foi de natureza apostólica ou profética. Os missionários e os que plantam igrejas são apóstolos, porém num sentido inferior. Os que ministram a Palavra para edificação dos santos são profetas, porém, não são profetas e apóstolos no sentido primário.

III. EDIFICADOS PARA MORADA DE DEUS

Nos últimos quatro versículos do capitulo 2 de Efésios o apóstolo Paulo faz uma lista dos principais privilégios dos gentios crentes. Não eram mais “estrangeiros e peregrinos” (Ef.2:19). Nunca mais seriam tratados como estrangeiros, cães ou incircuncisos. Agora são considerados concidadãos com todos os santos do período do Novo Testamento. Os crentes cujos antepassados eram judeus não tinham agora nenhuma vantagem sobre eles. Todos os cristãos são cidadãos celestes de primeira classe (Fp.3:20,21); também são membros da “família de Deus”. Não somente foram “soberanamente naturalizados” no reino divino como também foram adotados dentro da família divina (Ef.2:19).
Finalmente, foram feitos membros da Igreja ou, como Paulo ilustra em Efésios 2:20, tornaram-se pedras no edifício do santo templo. Paulo descreve o templo pormenorizadamente; ele fala do seu fundamento, da pedra angular, do elemento que lhe dá coesão, da sua unidade, simetria, crescimento e de outros detalhes importantes.

1. Edifício bem ajustado (Ef.2:21)

“no qual todo o edifício, bem-ajustado, cresce para templo santo no Senhor” (Ef.2:21).
A Pedra Angular, que é o Senhor Jesus, é essencial para manter firme o Edifício; Nele, todo Edifício bem ajustado cresce. Além de Cristo, que é a Pedra fundamental da Igreja, nós também faremos parte dessa construção (Ef.2:22).
A unidade e simetria do Edifício são indicados na expressão “todo o edifício, bem ajustado”. Trata-se de uma unidade feita com muitos membros individuais. Cada membro tem um lugar específico no “edifício” dentro do qual ele é perfeitamente ajustado. Os gentios, que antes eram pedras extraídas do vale da morte, pela graça de Deus se acham perfeitamente adaptadas umas às outras.
A característica especial desse edifício é que ele “cresce”. No entanto, essa característica não é como o crescimento de um edifício que vai sobrepondo mais tijolos e cimento; é o crescimento de um organismo vivo, tal como o corpo humano. Afinal, a Igreja não é um prédio inanimado; também não é uma organização; trata-se de uma entidade viva em Cristo, um Corpo formado por todos os crentes.
A Igreja nasceu no dia de Pentecostes e, desde então, tem crescido e continua crescendo. Como pedras que vivem, estamos sendo edificados casa espiritual (1Pd.2:4,5). Portanto, somos ainda um templo inacabado; estamos ainda sendo edificados (Ef.2:22). Só depois, no novo Céu e na nova Terra, ouviremos a voz: “o Tabernáculo de Deus está entre os homens” (Ap.21:3).

2. Templo santo no Senhor (Ef.2:21)

“no qual todo o edifício, bem-ajustado, cresce para templo santo no Senhor” .
Esse Edifício feito de material vivo é descrito como um “templo santo no Senhor”, ou como diz na Bíblia Almeida Revista e Atualizada, "santuário dedicado ao Senhor". A palavra que Paulo emprega para “templo" não se refere ao átrio exterior, mas ao santuário interior (naos - na língua grega); não os arredores, mas o templo em si. Paulo tinha em mente o edifício principal do complexo do templo onde estava o Santo dos Santos. Foi ali que Deus outrora habitou e se manifestou numa nuvem resplandecente de glória. Há aqui algumas lições:
a)    Deus habita em sua Igreja. Crentes judeus e gentios formam um santuário vivo onde Deus vive e onde manifesta a Sua glória.
b)    Esse templo é santo. Ele é separado do mundo e dedicado a Deus para os seus santos propósitos.
c)     Como santuário santo, a Igreja é um centro de onde ascende louvor e adoração a Deus por meio do Senhor Jesus Cristo.
Paulo continua a falar sobre esse santuário, ou templo santo, dizendo que ele é dedicado ao Senhor. O Senhor Jesus é o seu manancial de santidade. Posicionalmente os seus membros são santos por meio da união com Ele.

3. Morada do Altíssimo (Ef.2:22)

“no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito”.
Note o ministério de cada Pessoa da Divindade em relação à Igreja:
-“No qual” – quer dizer em Cristo; é por meio da nossa união com Ele que somos feitos santuário.
- “Morada de Deus” – esse Templo é a morada de Deus Pai na Terra.
-“No Espírito” – é na Pessoa do Espírito Santo que Deus habita a Sua Igreja (1Co.3:16).
A imensa dignidade da posição dos cristãos consiste no fato de que formam uma “morada de Deus no Espírito”. Eis aqui o propósito do templo: criar um lugar onde Deus possa morar em comunhão com o seu povo. Esse lugar é a Igreja. Deve-se comparar isso com a posição dos gentios no Antigo Testamento; naquela época, eles nem sequer podiam se aproximar da habitação de Deus; agora, eles mesmos formam grande parte dela.
O Templo, nos dias do Antigo Testamento, quando era considerado “o santuário anterior”, ou “santo dos santos”, era acima de todo o lugar em que a glória de Deus descia e se manifestava pela sua presença. Cristo, ao vir à Terra, tornou obsoleto o Tabernáculo, Templo feito por mãos humanas. Ele mesmo tornou-se o Lugar de habitação divina entre os homens (João 1:14). E esse Templo já não está mais entre os seres humanos, pois Deus, agora, procura para sua habitação homens e mulheres regenerados pelo Seu Espírito Santo.

CONCLUSÃO

Perceba quão grande Obra Deus, pelo Seu imenso amor, realizou em todos aqueles que não tinham nenhuma esperança, os gentios. O capítulo 2 de Efésios que começou descrevendo os gentios como mortos, depravados, incircuncisos, diabólicos, desobedientes, fora das promessas e sem esperança, termina com os mesmos gentios purificados de toda a culpa e imundícia, constituindo uma “morada de Deus no Espírito”. Sinteticamente, podemos apresentar os gentios em quatro pontos distintos: da morte para a vida; da escravidão para a liberdade; do túmulo para o trono; da separação para a reconciliação; e da morada de demônios para morada do Altíssimo. Bendito seja Deus por tão grande amor, graça, bondade e misericórdia dispensado a todos nós.
-----------
Luciano de Paula Lourenço – EBD/IEADTC
Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com
Referências Bibliográficas:
Bíblia de Estudo Pentecostal.
Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.
Comentário Bíblico popular (Novo Testamento) - William Macdonald.
Comentário Bíblico Pentecostal. CPAD.
Comentário do Novo Testamento – Aplicação Pessoal. CPAD.
Pr. Douglas Baptista. A Igreja Eleita. Redimida pelo Sangue de Cristo e Selada com o Espírito Santo. CPAD.
Rev. Hernandes Dias Lopes. Efésios. Igreja, a noiva gloriosa de Cristo.
SHEDD, Russel. Epístolas da Prisão: uma análise. São Paulo: Edições Vida Nova,
2005, p. 15.
STOTT, John. A Mensagem de Efésios. São Paulo: ABU Editora, 2007.
STOTT, John. Lendo Efésios.