domingo, 10 de junho de 2012

Aula 12 - O JUIZO FINAL


Texto Básico: Ap 20:7-15
17/06/2012

“Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre, o que é a segunda morte”(Ap 21:8).

INTRODUÇÃO

Após o Reino de Cristo na Terra por mil anos, e com Satanás fora do cenário, ocorrerá o “Juízo Final”, que diante do Trono Branco representa o poder ilimitado de Deus e a perfeição da execução dos Seus atos de justiça. O que está assentado sobre o Trono é o Rei dos reis e Senhor dos senhores. Ninguém, exceto a Igreja e os integrantes da Primeira Ressurreição, escapará do julgamento final. Lá estarão senhores e servos, sábios e indoutos, ricos e plebeus. Lá a justiça divina será aplicada a todos. Será o momento em que serão julgados todos os ímpios que se rebelaram contra Deus, em todos as eras, bem como aqueles que não aceitaram o sacrifício de Jesus Cristo em prol da Salvação da humanidade.

I. O QUE É O JUIZO FINAL

Na Bíblia inteira, Deus é visto como Justo Juiz. Ele pronunciou juízos, nos tempos antigos, contra Israel, e também contra as nações. No fim dos tempos não vai ser diferente. Todo ser humano devia se preocupar com esse momento, pois fora da Salvação em Cristo, indubitavelmente, enfrentará esse momento que, infelizmente, nele só haverá um veredicto: a condenação eterna (Ap 20:15).
1. O Juízo final. O “Juízo Final” será o julgamento a que serão submetidos os incrédulos de todas as eras, que foram ressuscitados, na consumação de todas as coisas(Ap 20:5). É chamado também de “Juízo do Trono Branco”, porque a narrativa bíblica se inicia com a visão de um “Grande Trono Branco”. Ocorrerá depois do término do reino milenial de Cristo, depois da condenação definitiva do Diabo e suas hostes. Na Bíblia, este julgamento é explicitamente mencionado, pela primeira vez, por Daniel (Dn 7:9,10). Era algo de pleno conhecimento dos judeus, como mostra Marta, irmã de Lázaro, ao se dirigir ao Senhor, quando este chegou a Betânia quatro dias após a morte de seu amigo(João 11:24). Terá como objetivo retribuir a cada um segundo as suas obras(Ap 20:11-15). A Igreja - a Universal Assembleia dos Santos (Hb 12:23) - não será submetida ao Juízo Final, por haver crida na eficácia da morte e da ressurreição do Filho de Deus.
O Novo Testamento menciona cinco categorias de Julgamentos definitivos:
a) Julgamento da Igreja (2Co 5:10). O julgamento da Igreja é o chamado “Tribunal de Cristo”, que ocorrerá logo após o arrebatamento, antes das Bodas do Cordeiro. Acontecerá nas regiões celestiais. Neste tribunal, os crentes serão julgados pelas obras que tiverem feito por meio do corpo, ou bem, ou mal (Rm 14:10; 2Co 5:10). Este julgamento não envolve salvação ou perdição, pois todos os crentes que forem arrebatados estarão salvos, mas serão julgadas as obras com vistas à entrega de recompensas, do “galardão”. Nesta oportunidade, muitos serão surpreendidos, pois Deus conhece o coração do homem (1Sm 16:7) e sabe a qualidade de tudo o que está sendo feito em Sua obra, não atentando para a aparência. Diante disto, muitos que, aparentemente, terão feito muito pela obra do Senhor, nada receberão, porquanto suas obras serão consideradas como palha, como madeira, sem condição de resistir ao crivo divino; e outros, que, aparentemente, nada teriam feito pelo Senhor, receberão galardões, pois trabalharam em silêncio, sem alarde, mas com dedicação e real devoção. Os critérios do julgamento e o seu tratamento são descritos em 1Co 3:12-15.
b) Julgamento de Israel (Ez 20:34-38;Ml 3:2-5). O segundo julgamento é o julgamento de Israel, o povo escolhido de Deus. A Grande Tribulação será o instante em que Deus tratará com a nação israelita e, ao término da Grande Tribulação, Deus terá provado este povo e só o remanescente será salvo. Aqui, de imediato, vemos uma diferença entre quem fez parte do arrebatamento e quem não fez. Enquanto que o julgamento da Igreja não envolve salvação ou condenação eternas, os demais julgamentos têm em vista o destino eterno dos indivíduos. Na Igreja vitoriosa e glorificada, os crentes não correm risco de perder a vida eterna, conquistada pela fé em Cristo Jesus, mas, tanto em Israel quanto entre os gentios incrédulos, o julgamento divino envolve a possibilidade concreta e bem provável de se viver eternamente sem Deus e sem salvação. É o remanescente que será salvo (Rm 9:27), porque se arrependerão de seus pecados e aclamarão a Jesus como o Messias (Zc 12:10).
c) Julgamento das Nações (Mt 25:31-46). Esse julgamento acontecerá na terra sobre aqueles que sobreviveram ao Armagedom. Serão julgados com base no tratamento dado a mensagem do reino, aos seus mensageiros e ao modo como trataram a nação de Israel. Este julgamento terá como finalidade apartar os “bodes” das “ovelhas”, ou seja, decidir quem passará com Cristo o reino milenial e quem não passará o milênio, ficando a aguardar o julgamento final e definitivo. Neste julgamento, serão ressuscitados apenas aqueles que desfrutarão o milênio com Cristo, os bem-aventurados que completam o número daqueles que tomam parte da primeira ressurreição (Ap 20:6). Os demais indivíduos, com exceção do Anticristo e do Falso Profeta, que já terão sido lançados vivos no lago de fogo e de enxofre, que será inaugurado naquela oportunidade(Ap 19:20), aguardarão o julgamento que ocorrerá somente ao término do Milênio.
d) Julgamento dos anjos maus (1Co 6:3;Jd 6). Judas revela o fato de que anjos serão trazidos a julgamento: “e aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande Dia” (Jd 6). Serão julgados e condenados ao lago de fogo juntamente com o Diabo, logo após o Milênio e antes do juízo do Trono Branco (Mt 25:41).
e) Julgamento do Trono Branco (Ap 20:11-15). Este é o chamado “Julgamento Final” ou “Juízo Final” ou, ainda, o “Juízo do Trono Branco”, que terá lugar depois do término do reino milenial de Cristo. Logo após os rebeldes serem devorados pelo fogo do céu que cairá sobre os exércitos que estarão a cercar o lugar santo em Israel, terá findado a história humana. O tempo deixará de existir e Deus chamará à sua presença todos os seres humanos que foram criados e que ainda não tinham sido julgados até então, ou seja, todo ser humano que não pertence nem à Igreja, nem ao Israel salvo e nem ao grupo dos mártires da Grande Tribulação, que já terão sido julgados. Estes outros homens são os que serão levados a julgamento neste último grande tribunal da história.
2. Não confundir o Julgamento das Nações (Mt 25:31-46) com o do “Grande Trono Branco”(Ap 20:11-15). Há quem considere e ensine que a passagem bíblica de Mt 25:31-46(Julgamento das Nações) e a de Ap 20:15(Julgamento Final ou do Trono Branco) se referem a um só acontecimento, ou seja, para estes ensinadores, haverá um único julgamento, que eles denominam de Juízo Universal. Isto, porém, não se sustenta diante de uma análise, mesmo superficial, da Palavra de Deus. Entretanto, seja como for, para o crente salvo não haverá julgamento para condenação, pois conforme afirmou o Senhor Jesus em João 5:24: “... quem ouve a minha Palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida”. Também Paulo afirmou: “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus...” (Ro 8:1). Nossos pecados já foram julgados na Cruz do Calvário, na Pessoa de Jesus Cristo – Ler Is 53:5.
Veja a seguir as diferenças entre esses dois julgamentos, que impossibilitam torná-los um só acontecimento:
Em Mateus não há nenhuma ressurreição antes do julgamento, mas apenas uma reunião dos eleitos (Mt 24:31). Enquanto em Apocalipse há uma ressurreição de todos os incrédulos.
Em Mateus o julgamento é de nações viventes. Em Apocalipse é dos mortos.
Em Mateus as nações são julgadas. Em Apocalipse não trata de entidades nacionais, pois o céu e a terra fugiram e, já que as nações estão confinadas à Terra, o mesmo acontecimento não poderia ser descrito.
Em Mateus o julgamento é na Terra. Em Apocalipse o céu e a Terra fugiram.
Em Mateus não há livros a ser consultados. Enquanto em Apocalipse os livros são abertos, o livro da vida é trazido, e os que não se encontram nele são lançados no lago de fogo.
Em Mateus o julgamento ocorre no retorno de Cristo à Terra. Em Apocalipse ocorre após o fim dos mil anos da presença de Cristo na Terra.
Em Mateus aparecem duas classes de pessoas, os justos e os incrédulos. Em Apocalipse apenas os incrédulos aparecem.
Em Mateus alguns foram para o reino e outros para o castigo. Em Apocalipse nenhum dos que são julgados vai para a bênção, mas todos vão para o castigo eterno.
Em Mateus o juiz está sentado no “trono da sua glória” (Mt 25:31). Em Apocalipse Ele está sentado no “Grande Trono Branco”.
Em Mateus a base do julgamento é o tratamento dos irmãos. Enquanto em Apocalipse o julgamento se baseia nas suas obras.
Em Mateus a vinda de Cristo precede o julgamento. Em Apocalipse nenhuma vinda é mencionada.
Em Mateus a sentença é pronunciada e a separação é feita antes de ser conhecida a causa do julgamento. Em Apocalipse não há nenhum julgamento até que ocorra cuidadoso exame dos livros.
Em Mateus não há um milênio precedente, pois há o registro dos que passaram fome, sede, nudez, doença, aprisionamento e foram estrangeiros. Em Apocalipse uma era milenar precede o acontecimento (Ap 20:5).
Essas considerações parecem suficientes para apoiar a afirmação de que não se trata de um único e mesmo julgamento, mas de duas partes separadas do plano de julgamento de Deus.
II. O JULGAMENTO DA BESTA (ANTICRISTO), DO FALSO PROFETA (SEGUNDA BESTA) E DO DRAGÃO (SATANÁS)
1. O Juízo sobre o Anticristo e o Falso profeta. Assim está narrado o fim do Anticristo e do Falso profeta: "E a besta foi presa e, com ela, o falso profeta, que, diante dela, fizera os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no ardente lago de fogo e enxofre" (Ap 19.20). Portanto, o Anticristo e o Falso profeta, na Batalha do Armagedon, serão aniquilados pela espada que sai da boca de Cristo (isto é, por sua Palavra), e serão lançados vivos no lago de fogo e enxofre, que é o inferno propriamente dito (Ap 19:20). É o fim das duas “bestas”. Amém!
2. O Juízo sobre o Dragão (Ap 20:9). Quando se completarem os mil anos, Satanás será solto da sua prisão e sairá a seduzir as nações hostis a Cristo que há nos quatro cantos da Terra, chamados de Gogue e Magogue(Ap 20:7-8). Aqui, Gogue e Magogue não devem ser confundidos com os dos textos de Ezequiel 38-39. Na passagem do Antigo Testamento, Magogue é um território extenso ao norte de Israel, e Gogue é seu governante. Neste texto de Apocalipse, as palavras se referem às nações do mundo em geral. Em Ezequiel, o contexto é pré-milenar; Em Apocalipse, é pós-milenar.
Depois de recrutar um exército de rebeldes ímpios, o Diabo marchará contra Jerusalém, a cidade do Grande Rei, “a cidade amada”. Mas fogo descerá do céu vindo de Deus e consumirá as forças hostis (cf Ap 20:9).
Pode parecer surpreendente que Satanás conseguirá reunir um exército de incrédulos no final do milênio. É importante lembrar, porém, que todas as crianças geradas durante o reinado de Cristo nascerão com a natureza gentílica, pecadora, e precisarão ser salvas. Nem todos aceitarão a Cristo como Rei legítimo. Os rebeldes se dispersarão por toda a Terra, procurando afastar-se o máximo possível de Jerusalém, a capital do Governo de Cristo.
Após os exércitos de Satanás ser devorados por Cristo, Satanás será, para sempre, destruído, esmagado – “E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo sempre” (Ap 20:10). O julgamento divino é a destruição e ruína total de Satanás. No inferno (o lago de fogo e enxofre), ele não reinará, sendo sempre atormentado, dia e noite, eternamente.

III. A INSTALAÇÃO DO TRONO BRANCO

Lançado o diabo no lago de fogo e de enxofre, cessará o tempo histórico e será instalado o Grande Tribunal, também conhecido como o Grande Trono Branco, a ser presidido por nosso Senhor Jesus Cristo - “E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros”(Ap 20:11,12).
1. O Grande Trono Branco. O Grande Trono Branco simboliza o poder ilimitado de Deus e a perfeição da execução de seus atos de justiça. É Grande por causa das questões envolvidas, e é Branco devido a perfeição e pureza dos veredictos que ali serão dados. Os ímpios, os incrédulos, aqueles que morreram sem Cristo, de todas as épocas, os grandes e os pequenos, estarão postos em pé diante do Juiz para serem julgados.
a) O Juiz que irá presidir este Julgamento. O Senhor Jesus Cristo, o Justo Juiz, conduzirá esse último Julgamento. Ele foi designado pelo Pai para essa missão. Assim diz o texto Sagrado: “Mas Deus [...] tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dos mortos” (At 17:31). Ele mesmo expressou: "E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo" (João 5:22).
Portanto, no Juízo Final, todos estarão em pé ante o trono (Ap 20:12, ARA), mas haverão de se prostrar diante do Justo Juiz para receber a sentença (João 5:22,23). Todos aqueles que não quiseram se prostrar diante do Rei dos reis, antes da Segunda Vinda, durante a Grande Tribulação e por ocasião do Milênio, estarão ali, onde terá pleno cumprimento o que diz Filipenses 2:10,11: "para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai".
b) O Local e o tempo do Julgamento Final. Pela Bíblia sabemos o local e o tempo dos outros Julgamentos. Sabemos que o Julgamento dos nossos pecados foi realizado na Cruz do Calvário, no ano 29 d.C. O Julgamento de nossas obras será realizado no Céu, diante do Tribunal de Cristo, após o Arrebatamento da Igreja. O Julgamento da Nação de Israel será realizado na Terra, durante a Grande Tribulação. O Julgamento das Nações - Mateus 25:31-46 - será realizado na Terra, no término da Grande Tribulação e antes do Milênio. Todavia, ninguém pode determinar o local em que será realizado o Julgamento Final. Não será no Céu e não será na Terra, pois, estes fugiram da presença daquele que estava assentado sobre o Trono Branco - “... e não se achou lugar para eles”(Ap 20:11). Sabe-se, somente, que será depois do Milênio.
c) Os réus do Julgamento. Fica evidente pelo texto de Apocalipse 20:11-15 que esse é um julgamento dos chamados “os mortos”(Ap 20:12,13) – “E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros. E abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras”.
Não há nenhuma referencia aos vivos. Assim, podemos afirmar que, no Julgamento Final, diante do Trono Branco, estarão todos os mortos ímpios de todos os tempos, não importa quando, onde ou como tenham morrido. Ninguém será esquecido na terra, no mar, no inferno (hades), em lugar nenhum – “Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram...” (Ap 20:5). Estes, ao ressuscitarem, receberão um corpo dotado de vida eterna, porém, não será um corpo de glória como os que receberam os salvos. Será um corpo sem glória “... para vergonha e desprezo eterno” (Dn 12:2). Conforme afirmou o Senhor Jesus: “E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação” (João 5:29).
d) A base do Julgamento. Esse Julgamento, ao contrário de uma concepção popular errada, não tem por finalidade apurar se aqueles que o enfrentam serão salvos ou não. Todos os que devem ser salvos já foram salvos e entraram no seu estado eterno. Os que serão abençoados eternamente já entraram na sua bênção. Esse é antes um julgamento das más obras dos incrédulos - “[...] E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras”(Ap 20:12).
e) O resultado do Julgamento. Nesse último grande Juízo não serão proferidas duas sentenças, como ocorreu no Julgamento das Nações (Mt 25:46). Haverá uma única condenação para os ímpios (Ap 20:15). Alguns dizem que os salvos também hão de ser julgados, mas isso contraria o que Jesus afirmou, em João 5:24: "Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entrará em juízo, mas passou da morte para a vida" (ARA). Portanto, o salvo em Cristo tem a vida eterna hoje e não será julgado mais quanto ao pecado (cf. Rm 8:1,33,34), a menos que se desvie do caminho da justiça (2Pe 2:20-22; Mt 24:13; Ap 3:5).
O resultado desse julgamento fica bem claro em Apocalipse 20:15: “E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo”. A eterna separação de Deus é o destino eterno dos incrédulos. É o que a Bíblia considera de segunda morte (Ap 20:14).
2. Os livros do juízo final - E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros. E abriu-se outro livro, que é o da vida...”(Ap 20:12). Naquela ocasião, vários livros serão abertos e tudo o que está gravado no coração dos seres humanos, na parte mais profunda de seu ser, virá à tona. Deus, por meio de Cristo Jesus, julgará os segredos de cada um (Rm 2:16).
Os mortos serão julgados de acordo com as coisas escritas nos livros, isto é, segundo as suas obras (Ap 20:12). Isso significa que o Senhor tem o registro de tudo o que fazemos (Sl 139:16; Ml 3:16; Sl 56:8; Mc 4:22). E aquele cujo nome não constar do Livro da Vida será lançado no Lago de Fogo (Ap 20:15).
Conforme ensina o pr. Ciro Sanches Zibordi, o Livro da Vida é o registro de todos os salvos, de todas as épocas (Dn 12:1; Ap 13:8; 21:27), “desde a fundação do mundo” (Ap 17:8). Os outros livros contêm um registro detalhado das obras dos incrédulos. Nenhum dos presentes no julgamento do Grande Trono Branco encontra-se registrado no Livro da Vida.
De acordo com a Palavra de Deus, existe a possibilidade de pessoas salvas, que não perseverarem até ao fim, terem os seus nomes riscados do Livro da Vida do Cordeiro (Ap 3:5). Em Êxodo 32:32,33 vemos essa verdade na intercessão de Moisés pelo povo: "Agora, pois, perdoa o seu pecado; se não, risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito. Então, disse o Senhor a Moisés: Aquele que pecar contra mim, a este riscarei eu do meu livro".
Alguns, ainda, afirmam que “Deus relacionou toda a humanidade no Livro da Vida e só risca quem não recebe a Cristo como Salvador”. Não obstante, a promessa "de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida" (Ap 3:5) é dirigida aos salvos que vencerem, e não aos pecadores que se converterem. Estes, conquanto tenham os seus nomes arrolados no Céu ao receberem a Cristo, precisam perseverar até ao fim (Mt 24:13).
Em Filipenses 4:3, o apóstolo Paulo mencionou cooperadores "cujos nomes estão no Livro da Vida", porém antes ele asseverara: "estai sempre firmes no Senhor, amados" (Fp 4:1). Não foi por acaso que os pastores das sete igrejas da Ásia ouviram do Senhor a mensagem: "Quem vencer" (Ap 2-3). A manutenção no nome de alguém no Livro da Vida está condicionada à sua vitória até ao fim (Ap 3:5). Somos filhos de Deus hoje (João 1:11,12), mas devemos atentar para o que diz Apocalipse 21:7: "Quem vencer herdará todas as coisas, e eu serei seu Deus, e ele será meu filho" (ZIBORDI, Ciro Sanches – Teologia Sistemática Pentecostal – CPAD).

IV. O JULGAMENTO DOS MORTOS

Diante do Trono Branco estarão todos os mortos que não fazem parte da Primeira Ressurreição. Em Apocalipse 20:13 está escrito que o mar dará os mortos que nele há. Jesus também afirmou que "vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz" (João 5:28). Onde quer que estiverem, os pecadores ressuscitarão para comparecer diante do Trono Branco.
O Senhor Jesus falou sobre Duas Ressurreições: uma ele chamou de Ressurreição da Vida, e a outra de Ressurreição da Condenação - “Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram mal, para a ressurreição da condenação”(João 5:28,29). Nesta passagem bíblica fica claro que uma é a Ressurreição dos Justos e a outra é a  Ressurreição dos Ímpios. Os justos ressuscitarão primeiro, por isto chamamos a ressurreição dos justos de Primeira Ressurreição. Os ímpios somente ressuscitarão depois do Milênio, diante do Trono Branco, e para o Julgamento Final, por isto chamamos a ressurreição dos ímpios de Segunda Ressurreição (ler Ap 20:5).
Na Primeira Ressurreição, os salvos ressuscitarão num corpo glorificado, conforme o corpo de Cristo(Fp 3:21). Na Segunda Ressurreição, os ímpios ressuscitarão num corpo imortal, porém, sem nenhuma glória, sem qualquer beleza, “para vergonha e desprezo eterno”(Dn 12:2). Esta Segunda Ressurreição acontecerá numa única etapa. Todos os ímpios, de todos os tempos, ressuscitarão e comparecerão diante do Trono Branco, para o Julgamento Final.
Instalado o Tribunal, ante o Grande Trono Branco, onde estará assentado Jesus Cristo – não como Salvador, mas como Juiz -, serão chamados os réus, que são todos os homens e mulheres que ainda não tiverem sido julgados até então. Nesse momento da chamada dos acusados, haverá a ressurreição geral dos mortos, ou seja, a chamada “ressurreição do último dia”, mencionada por Marta quando abordada por Jesus no dia da ressurreição de Lázaro em Betânia. Essa ressurreição será uma ressurreição em carne, ou seja, Deus promoverá a reunião da matéria e restabelecerá os corpos daqueles que, durante toda a história da humanidade, viveram sobre a face da Terra e desprezaram deliberadamente e conscientemente a oferta de Deus para trazer o ser humano ao estado original da criação, ou seja, à comunhão eterna com o seu Criador.
Esta é uma das provas bíblicas de que ressurreição não se confunde com reencarnação, pois se Deus irá retomar toda a matéria de que foi criado o ser humano que viveu durante toda a história da humanidade dos locais em que eles morreram (Ap 20:13), isto é uma demonstração de que se morre apenas uma vez sobre a face da Terra(cf Hb 9:27), ao contrário do que afirmam os reencarnacionistas. Ainda mais, não há notícia de que venha a ser ressuscitado qualquer corpo que venha de outro planeta, a comprovar, também, que a teoria reencarnacionista, que sustenta a vida em outros planetas para justificar o crescimento populacional, não tem qualquer fundamento bíblico.
A Sentença - ou o Resultado deste Julgamento: “... E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo”(Ap 20:14-15). São com estas palavras, e com esta afirmação, que será encerrada a Ata do Julgamento Final. Assim, os ímpios, os réus do Julgamento dos Mortos, estarão no “lago de fogo” enquanto viverem, e, viverão eternamente - “... de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre”(Ap 20:10). Chamamos isso de a “segunda morte”, que significa a separação eterna de Deus.
O sinistro fato do castigo eterno para os ímpios é a maior razão para levar o Evangelho a todo o mundo, e fazer o máximo possível para persuadir as pessoas a arrependerem-se e a aceitarem a Cristo antes que seja tarde demais” (Nota da Bíblia de Estudo Pentecostal).

V. O JULGAMENTO DA MORTE E DO INFERNO

O pastor Ciro Sanches Zibordi explica com muita substância este assunto. Diz ele: Segundo a Palavra de Deus, a morte (gr. thanatos) e o inferno (gr. hades) darão os seus mortos, os quais, após o Juízo Final, serão lançados no Lago de Fogo (Ap 20.13,14).
O vocábulo "morte", na passagem em análise, tem sentido figurado; trata-se de uma metonímia (figura de linguagem expressa pelo emprego da causa pelo efeito ou do símbolo pela realidade), numa alusão a todos os corpos de ímpios, oriundos de todas as partes da Terra, seja qual for a condição deles. Há pessoas cujos corpos são cremados; outras morrem em decorrência de grandes explosões, etc. Todas terão os seus corpos reconstituídos para que, em seu estado tríplice (cf. I Ts 5.23), compareçam perante o Juiz.
No entanto, para que alguém compareça ao julgamento em seu estado pleno - espírito, alma e corpo -, estes elementos terão de ser reunidos. Daí a ênfase de que "a morte" e também "o inferno" darão os seus mortos. O termo "inferno" aqui é hades, também empregado de forma metonímica. Em outras palavras, assim como a "morte" dará o corpo, o Hades dará a parte que não está neste mundo físico, isto é, a alma (na verdade, alma+espírito).
Todos os sentenciados ao Lago de Fogo, no Trono Branco, serão pecadores já condenados (cf. João 3.18,36), haja vista o Hades ser um lugar de tormentos onde os injustos aguardam a sentença definitiva (cf. Lc 16.23). Nenhuma alma salva em Cristo se encontra no Hades, mas no Paraíso (Lc 23.43; 2 Co 12.2-4). Nesse caso, os mortos salvos durante o Milênio ressuscitarão antes do Juízo Final, mas não para comparecerem diante do Justo Juiz como réus (cf. João 5.22-29).
Com base no que foi dito acima, podemos entender melhor a frase "a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo" (Ap 20.14). Isso denota que os corpos e as almas dos perdidos - que saíram do lugar onde estavam e foram reunidos na "segunda ressurreição", a da condenação (João 5.29b) -, depois de ouvirem a sentença do Justo Juiz, serão lançados no Inferno propriamente dito, o Lago de Fogo.
A frase "a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo" (Ap 20.14) tem uma correlação com o que Jesus disse em Mateus 10.28: "Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo" (ARA). Ou seja, as almas ("o Hades") e os corpos ("a morte") serão lançados no Geena. Depois disso, nunca mais haverá morte, o último inimigo a ser vencido (I Co 15.26) (ZIBORDI, Ciro Sanches. Teologia Sistemática Pentecostal – CPAD).

CONCLUSÃO

À luz da Palavra de Deus, o Senhor anuncia a todas as pessoas, em todos os lugares, que se arrependam, pois tem determinado um Dia em que, com justiça, há de julgar o mundo por meio do Senhor Jesus Cristo (At 17:31). Como vimos nesta aula, o resultado desse julgamento é a separação eterna de Deus. É descrito por João: “E aquele que não foi escrito no Livro da Vida foi lançado no lago de fogo”. Esta advertência não pode passar despercebida. É clarividente que o visto de entrada para o Céu é: ter o nosso nome escrito no Livro da Vida. Isso significa aceitar a Jesus como Salvador e Senhor. Portanto, viver de forma que agrademos a Deus é, sem dúvida alguma, uma motivação para que não sejamos partícipes do Juízo Final, pois nele não serão julgados aqueles que receberam a Salvação em Cristo Jesus e foram fiéis até o fim.
----
Elaboração: Luciano de Paula Lourenço – Prof. EBD – Assembléia de Deus – Ministério Bela Vista. Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com
Referências Bibliográficas:
William Macdonald – Comentário Bíblico popular (Novo Testamento).
Bíblia de Estudo Pentecostal.
Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.
Revista Ensinador Cristão – nº 50.
O Novo Dicionário da Bíblia – J.D.DOUGLAS.
Comentário Bíblico NVI – EDITORA VIDA.
Antonio Gilberto – Calendário do Apocalipse.
Ciro Sanches Zibordi - Teologia Sistemática Pentecostal.
Caramuru Afonso Francisco – O julgamento Final.
J.Dwight Pentecost – Manual de Escatologia

10 comentários:

  1. louvo a Deus por ter encontrado este maravilhoso.
    Que Deus continue os abençoando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado prezado "Anônimo"! Deus o abençoe também!

      Excluir
  2. A Paz do Senhor, quero agradecer por nos disponibilizar a aulas, bem explicadas.Gosto dos seus comentários, pois explicam muito bem e agregam ao conteúdo da revista, e ainda mais, temos tempo suficiente de ler e absorver o assunto, pois no início da semana já está disponível no blog.

    Deus cumpra os pensamentos que ele tem a seu respeito.


    Abs. Malko Miranda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, prezado irmao Malko! Deus abençoe cada vez mais o teu ministério na Igreja do Senhor Jesus!

      Excluir
  3. Paz irmão!

    Vim agradecer e retribuir a visita, suas palavras no comentário feito, nos incentiva a continuar firmes na Rocha que é Cristo Jesus.
    Já te seguindo...

    Em Cristo,

    ***Lucy***

    ResponderExcluir
  4. Irmão Luciano,

    Só estou com a seguinte dúvida: como serão julgadas as pessoas que nascerem no Milênio?

    Sabemos que no pós-Tribulação, judeus e gentios convertidos entrarão de imediato no Milênio, depois do Julgamento das Nações, em seus corpos naturais (e não glorificados como a Igreja). Assim, conforme Isaías (65.20) não haverá gente de pouca idade, mas também não haverá gente que em corpo natural atravessará os mil anos. Ou seja, muita gente vai nascer (suponho que os casamentos dos que escaparão na Grande Tribulação continuarão válidos, ou não?) e muita gente vai morrer durante os longo mil anos do governo terreno de Cristo. Onde então serão julgados os salvos que nasceram no Milênio?

    Alguns afirmam que somente os justos viverão durante o Milênio, então como depois de satanás ser solto ele ainga consegue reunir uma multidão "como areia do mar" para pelejar contra Deus em "Gogue e Magogue"? Ou como ainda haverá os transgressores amaldiçoados aos 100 anos conforme Isaías?

    Realmente pergunto porque estou com essa dúvida há tempo. Tribunal de Cristo para ressuscitados e arrebatados no Arrebatamento; Julgamento das Nações para judeus e gentios convertidos na Tribulação; Juízo Final "apenas" para os ímpios mortos. Mas e os salvos, que nasceram no Milênio, onde serão julgados?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido irmão Tiago, sua pergunta é de difícil resposta, mas bastante pertinente. A resposta que vou dar servirá como complemento a esta Aula. Vamos seguir uma linha de raciocínio:

      1) Após o Armagedom, haverá pessoas que não morrerão nessa batalha (cf Ap 19:21), as quais participarão do Julgamento das Nações. Os condenados dentre essas nações vivas irão imediatamente para o Inferno(Mt 25:41). Já os absolvidos ingressarão no Milênio com todas as possibilidades de estar com Cristo por toda a eternidade (Mt 25:34,46b), a menos que sejam enganados e se desviem da verdade(cf Ap 20:7,8).
      2) Quem hoje crê no Senhor Jesus Cristo já tem a vida eterna (João 3:16,36). Da mesma forma, dentre os povos naturais que ingressarem no Milênio, terão essa certeza os indivíduos que crerem o Salvador do mundo e nEle permanecerem: “irão para a vida eterna”(Mt 25:46).
      3) Antes que você questione: os salvos não são julgados para condenação. Desta feita, os que participaram do arrebatamento e que forma ressuscitados neste acontecimento, foram julgados no Tribunal de Cristo para galardão e não para condenação(1Co 3:12-15; 2Co 5:10).
      4) Mas, quanto aos que morrerem no Milênio(cf Is 65:20), em que momento ressuscitarão e terão seus corpos transformados? Sabemos que, antes do Juízo Final, todos os mortos hão de ressuscitar. Porém, a ressurreição dos salvos que morreram durante o Milênio não deve ser entendida como uma “terceira ressurreição”. Afinal, a Palavra de Deus só apresenta a “Primeira” (que abrange, grosso modo, os mortos em Cristo, por ocasião do Arrebatamento, e os mártires da Grande Tribulação), e a “Segunda”, mencionada claramente como uma ressurreição para condenação(João 5:29b; Ap 20:5,6). Considerando que o texto de Apocalipse 20 não menciona uma “Terceira ressurreição” é possível que os santos mortos durante o Milênio ressuscitem às vésperas do Juiz do Grande Trono Branco(Ap 20:12,13), mas não para comparecerem diante do Justo Juiz na qualidade de réus. Afinal, nenhuma condenação há para quem recebe ao Senhor Jesus Cristo e nEle permanece(cf João5:24; Rm 8:1,38,39). Não nos esqueçamos de que, no Juízo Final, o livro da vida, no qual estão os nomes de todos os salvos, também será aberto (Ap 20:1,2).
      5) Quando serão transformados os salvos que permanecerem vivos até ao fim do Milênio? Em Apocalipse 21, vemos a descrição de um novo Céu e uma nova Terra, onde não haverá mais espaço para carne e sangue(1Co 15:50). A partir deste fato, podemos afirmar que, logo após o Juiz Final, todos os que estiverem com Cristo já terão sido transformados, mas não será revelado o momento deste pormenor.
      No Arrebatamento da Igreja, logo após a ressurreição dos mortos em Cristo, haverá a transformação dos santos que estiverem vivos(1Ts 4:16,17; 1Co 15:51,52). Seguindo-se essa mesma lógica, e considerando que os salvos mortos durante o Milênio ressuscitarão antes do Juízo Final(Ap 20:12), é provável que, nesse mesmo instante, ocorra a transformação dos fiéis que permanecerem vivos durante o Milênio.

      Quero ainda informar que, apesar de do Governo de Cristo, no Milênio, ser o mais Justo de todos os tempos, muitos se desviarão e se rebelarão contra Ele. A prova disso é que o Diabo será solto e, sublevando-se, enganará as nações. Mas seu sucesso será momentâneo, como lemos em Apocalipse 20:7-10.
      Alguns perguntam: “Por que Satanás será solto?” A passagem de Ap 20:7-10 explica que a liberdade provisória concedida a Satanás tem um propósito: enganar as nações. Deus provará os que nasceram durante o Milênio, permitindo que haja a tentação do Inimigo. Lembremo-nos de que Ele a ninguém tenta(Tg 1:13), mas nunca impediu o Diabo de tentar os crentes, haja vista serem por ela manifestos os verdadeiros servos do Senhor(Jó 1:6-22). Até Jesus foi tentado (Mt 4:1-11).

      Espero que estas explicações tenham dirimidas as tuas dúvidas.

      Observação: Esta linha de raciocínio segue a mesma adotada pelo o Pr. Ciro Sanches, exarada na “Teologia Sistemática Pentecostal – CPAD”.

      Deus o abençoe!

      Luciano Lourenço

      Excluir
  5. Irmão Luciano,

    Fiz a pergunta e também me debrucei sobre os livros a ler (e ainda estou lendo rs), porque achei que ficou um vazio aí, ou uma certa generalização dos nossos teólogos ao afirmar que o Juízo Final será apenas para os transgressores que receberão sua condenação. Não acredito que seja assim. Estive lendo o livro citado do nobre Pr. Ciro Zibordi, mas ele mesmo não afirma seguramente (ninguém afirma) quando será o julgamento dos salvos no Milênio.

    Bem, eu tenho a seguinte teoria, que na verdade não é minha, mas é compartilhada por outros estudantes da Bíblia. Aliás, lembro-me de ter lido sobre isso em minha infância num livro do estudo do Apocalipse versículo por versículo. Pena que com o tempo eu o perdi. Mas segue minha linha de pensamento:

    O Juízo Final não será exclusivo para TRANSGRESSORES, mas para SALVOS também (do Milênio, me refiro). Afinal, todos precisam ser julgados, todos precisam passar por um tribunal e receber sua sentença de vida ou morte, certo? O juízo é inescapável quer seja para os salvos, quer seja para os ímpios. E creio que será no último Juízo, o Grande Trono Branco de Deus, que os salvos e pecadores do Milênio serão julgados. Vejamos o que João diz:

    "e abriu-se outro livro, que é o da vida" (v.12) - Ora, porque haveria livro da vida, se todos ali presentes irão à perdição eterna?

    "E deu o mar os mortos que nele havia" (v. 13) - sabemos que o mar existirá durante o Milênio e que existirá a possibilidade de morte de salvos nessa época (em navios, etc.)

    "E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo" (v. 15) - João narra o Juízo deixando claro que o Livro da vida será usado, "manuseado", como que se alguém estivesse procurando nomes nele, para então dar a sentença. "Aquele que não foi achado", ou seja, haverá uma procura por nomes nesse Livro. Mas por que alguém ia procurar no Livro da vida nome de gente que, como já se sabe, está toda ela PERDIDA? Creio que é porque no meio daquela multidão existirão SIM pessoas cujos nomes serão encontrados no livro.

    "Aquele que não foi achado" - isso implica que não serão todos lançados no Lago de Fogo, mas apenas os que não foram encontrados seus nomes no Livro da Vida.

    Assim, por estamos cientes de que todo homem precisa ser julgado, e que depois do Milênio o único julgamento é o Juízo Final; por estamos certos de que o Livro da Vida será usado naquele Dia; e que no Milênio milhares de salvos morrerão naturalmente, fico com a tese de que o Juízo Final NÃO SERÁ EXCLUSIVO PARA PECADORES, mas também será o tribunal de Deus para julgar, concedendo a vida eterna na Nova Jerusalém, aos salvos do Milênio.

    Até que me provem diferente.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É lamentável que o irmão pense assim, e tire uma conclusão totalmente fora do contexto bíblico. Lamento te dizer que a tua conclusão é claramente antibíblica. Ela não se sustenta, nem mesmo diante uma análise superficial da Bíblia. Todavia, respeito a tua posição.
      Um abraço e até a próxima Aula nº 13. Domingo disponibilizarei no meu Blog.
      Luciano

      Excluir
  6. Irmão Luciano,
    Gosto da palavra "antibíblica" - denota algo que se opõe à Bíblia, que é contrário, ou que quer tomar o seu lugar. Não é o caso das minhas palavras. Não tenho a arrogância de querer fazer minhas palavras superiores à inerrante Palavra de Deus, ou mesmo fazer-lhe oposição. Pelo muito contrário, amparo-me nela.

    A questão é: onde está a "análise superficial" que garante por A+B que o Juízo Final é exclusivo para ímpios? Paulo disse: "nenhuma condenação há para os que estão em Cristo", mas Juízo há para todos (Juízo de absolvição, ou Juízo de condenaçã). O escritor da carta aos Hebreus diz: "após a morte segue-se o juízo". E creio que isso é válido até para quem nascer no Milênio, certo? Ou será que os salvos do Milênio não passarão por julgamento nenhum? E se passarão, que Juízo será, senão o Juízo do Grande Trono Branco? Como sempre, nessas horas é mais simples recorrer ao argumento: "o que está oculto é pra Deus".

    Mas essa é a questão: eu (e não só eu, mas uma dezena de estudiosos) defende que não está tão oculto assim onde será o juízo dos santos do Milênio. Pois o texto sobre o juízo final (mais uma vez, não me oponho a Bíblia, antes me amparo nela) diz que "abriu-se outro livro, o Livro da Vida". O que fará esse livro lá? Apenas enfeite? Não. Será usado. Mas para quê seria usado se apenas ímpios serão julgados?

    Não obstante, o livro do Apocalipse por si só, sabe-se, é interpretado de diversas formas, pelos estudantes da Bíblia. Escatologia, é por natureza, muito complicado e não raras vezes terreno fértil para divergências. Mas tachar uma opinião de "antibíblica" é demasiado.

    Mas esta foi apenas uma contribuição. Na verdade, quanto mais nos aproximarmos do fim, mas as coisas ficarão claras para nós, e então tudo será nítido.

    Paz do Senhor Jesus.

    ResponderExcluir